Gastronomia, culinária e outros interesses para os apaixonados
pelo prazer de cozinhar, comer bem e harmonizar.

Por Luciane Daux

sexta-feira, novembro 29, 2013

29/11/2013 - Batata, te quero tanto!

por Luciane Daux
A batata é um dos primeiros alimentos que aprendemos a comer, já na papinha do neném. Na infância, batata frita é quase que obrigatória. A palha é a melhor amiga do estrogonofe e as chips vão bem na happy hour. São várias espécies, umas mais e outras menos ricas em amido e energia, mas são uma unanimidade: todo mundo gosta, de um jeito ou de outro. A batata doce é a preferida dos malhadores, mas fica uma delícia fritinha. A Asterix, ou a rosa, mais sequinhas, são ótimas para fazer frita e gnocchi. A inglesa é parceira para todos os momentos. A batata salsa ou aipo (ou mandioquinha) faz um purê maravilhoso. As mini ficam deliciosas assadas ao forno, com sal grosso e alecrim.  E tem ainda a batata yacon que, segundo pesquisadores da Universidade de Fukushima (Japão), possui uma substância semelhante à insulina, capaz de reduzir as taxas de glicose no sangue. Cada uma, claro, de uma espécie diferente. Mas se você chamar de batata, elas atendem e fazem ótima companhia a quase todas as receitas. Qual a sua preferida?

Macarronada beneficente
O menu da I Macarronada Beneficente da Estácio de Sá/SC, que acontece neste sábado (30), a partir das 11h, na Praça de Alimentação da Estácio, atende a todos os gostos. Inclusive os celíacos. Saladas, os tradicionais espaguete e penne, além de macarrão sem glúten para celíacos, molho bolonhesa, sugo e 4 queijos fazem parte do evento beneficente (renda para a Casa Monte Moriah), organizado pelos alunos da 7ª e 8ª fase do curso, como parte das atividades da disciplina de Eventos e Marketing em Nutrição. Ingressos a R$ 20 na coordenação do Curso de Nutrição, no Centro Universitário Estácio de Sá.

Divulgação
Ceias sob encomenda
Essa é para quem não vai ter tempo de cozinhar nas festas de final de ano. Peru, chester, pernil e tender, guarnições de arroz de castanhas, fios de ovos, molhos de laranja e damascos e algumas sobremesas, como estrogonofe de nozes, são algumas das soluções que a Lombardo Pão Italiano propõe. Os meus preferidos para essa época, rabanadas e a porchetta (carne de porco desossada, temperada, recheada, enrolada e assada até o ponto da pele ficar crocante), também estão entre os pratos que podem ser encomendados pelo fone 3228-0378.

©iStockphoto.com/ sue_r_b
Batata frita perfeita
O segredo é da leitora Ana Luiza Tavares, minha aluna e gourmand de mão cheia. Eu sei, são passos pouco ortodoxos e eu mesma tive medo, mas vai com fé que dá certo. Vamos lá. Ela diz: “corte a batata (uso a inglesa) em palitos e salgue. Coloque na panela e cubra com óleo frio. Tampe a panela e só mexa quando a bata estiver quase pronta, ficando douradinha.”



Angelo Santos
Talentos premiados
O esperado prêmio da Veja Comer e Beber SC saiu essa semana, deixando chefs e restaurantes em evidência. O grande campeão desse ano foi o Chef Vitor Gomes, levando quatro das disputadas plaquinhas: melhor chef, restaurante revelação 2013 (Ponto G Brasa e Fogão), mesa número 1 (Ponto G) e o melhor desempenho entre os jurados. O Ostradamus, unanimidade no Brasil quando o assunto são ostras, levou o prêmio de melhor frutos do mar. E o talento e empreendedorismo do chef patissier Fernando D'Aquino, e sua Fairyland Cupcakes (Santo Antonio de Lisboa), teve seus deliciosos cupcakes reconhecidos como os melhores por aqui. São muitos amigos entre os vencedores e não conseguirei citá-los. Parabéns a todos!










Luciane Daux
Sua batata está assando...
Essa é fantástica e acompanha qualquer prato Provei e aprendi a fazer no restaurante Sucre, de Buenos Aires.
Descasque e corte uma "tampinha" de uma batata inglesa média, de forma que ela consiga ficar em pé. Enfie o palito de churrasco rente à parte cortada, de um lado ao outro no sentido longitudinal, para evitar que a faca seccione a batata. Com uma faca muito afiada, corte lâminas muito finas de 1 a 2 mm cada. Coloque a batata em uma assadeira, salgue e apimente e regue com manteiga derretida. Leve ao forno médio (220oC) por uma hora ou até começar a dourar a parte superior da batata.

Stock Xchng salsachica
Tortilla de batata
1 kg de batatas inglesas ou rosa em cubos de 1cm
1 cebola roxa grande cortada em tirinhas finas
½ xícara (chá) de azeite de oliva
4 ovos ligeiramente batidos
Sal e pimenta do reino a gosto

1.        Em uma frigideira junte as batatas, a cebola e o azeite de oliva e, em fogo médio, vá refogando até as batatas dourarem. Salgue e apimente. Tire do fogo.
2.        Acrescente os ovos batidos, misture bem. Novamente unte a frigideira com azeite de oliva e frite as batatas com os ovos, como uma omelete. Vire a tortilla e frite até dourar.



sexta-feira, novembro 22, 2013

22/11/2013 - Defumados, sabores marcantes e sedutores

por Luciane Daux
O sabor complexo, ao mesmo tempo delicado e marcante, dos defumados ajuda qualquer receita a ficar mais atraente. São queijo, suínos (tender, bacon, lombo, costelinha, lingüiça), frutos do mar (salmão, ostras, mariscos, polvo), embutidos, legumes e outros, tudo com o toque dado pela exposição à fumaça de madeiras e/ou ervas específicas que darão o sabor final aos alimentos. Assim preparados, eles se conservam por mais tempo. Não se faz uma boa feijoada sem eles, mas há outros bons e deliciosos modos de apreciá-los.
                          
Divulgação
Prato de verão no Outback
A Merluza Austral, que é servida com molho remoulade e um acompanhamento a escolha do cliente, apenas no horário do almoço,  é a novidade que o Outback Steakhouse está trazendo para o cardápio. Uma boa opção para os dias quentes. 

Le Beaujolais Nouveau est arrivé!
Diz a tradição que terceira quinta-feira de novembro, deve chegar ao público o vinho elaborado na Borgonha. Elaborado por Joseph Drouhin com a uva Gamay, é um vinho para ser degustado jovem. Leveza e frescor garantem perfeita harmonização com frios, e fazem com que ele seja bastante apreciado por aqui, mesmo às vésperas do verão.  A exemplo do mundo inteiro, o Emporium Bocaiuva recebeu ontem a novíssima remessa do Beaujolais 2013. Santé!



Studio A2
Quiche de truta defumada
Para a massa use 200g de farinha de trigo misturados e sovados até formar uma massa homogênea. Para o recheio, serão precisos 60g de truta defumada em conserva, 100g de alho poró picadinho, 2 dentes de alho, meia cebola em cubinhos, 300g de cenoura ralada e duas colheres (sopa) de óleo da conserva da truta. Doure a cebola no óleo, e em seguida refogue os outros ingredientes até que o recheio fique bem sequinho. Ajuste sal e pimenta do reino.  Para o creme, misture 100ml de leite com dois ovos batidos. Em uma forma para quiche, estique a massa no fundo e nas bordas, deixando bem fina. Coloque o recheio e cubra com o creme. Leve ao forno preaquecido a 180oC por 40 a 50 minutos. Receita da Marithimu’s Especialidades do Mar, elaborada pelo chef Fernando Sichin.

Luciane Daux
Canapés feitos por você
Os defumados podem ser de grande auxílio quando se trata de receber os amigos. Canapés, por exemplo, são muito fáceis de fazer e agradam. Use pão preto ou branco, cortado em quadradinhos, cream cheese e alguma carne de sabor marcante, como o salmão defumado, por exemplo, finalizando com folhinhas de endro dill. Elegante, não?










©iStockphoto.com/nosheep
Costelinhas defumadas ao molho agridoce
1,5Kg de costelinhas suínas defumadas
½ xícara (chá) de açúcar mascavo
½ xícara (chá) de molho de soja
1 xícara (chá) de polpa de tomate
4 colheres (sopa) de vinagre branco
1 colher (chá) de sal

1.        Deixe as costelinhas dessalgando na geladeira, banhadas em água fria, por 24 horas. Troque a água quatro vezes.
2.        Misture o açúcar mascavo, molho de soja, polpa de tomate, vinagre e sal.
3.        Pincele essa mistura sobre as costelinhas e coloque-as em uma forma untada.
4.        Leve ao forno preaquecido (180oC), e deixe assar por 30 minutos, pincelando a mistura agridoce por duas vezes.
5.        Sirva com arroz e farofa, se desejar.

Sadia
Salpicão de frango defumado
1 frango defumado sem pele e desfiado em lascas grossas
2 latas de abacaxi em calda cortado em pedaços
6 talos de salsão picados
2 xícaras (chá) de uvas-passas brancas
2 colheres (sopa) de suco de limão
4 maçãs vermelhas cortadas em cubos pequenos
6 talos de cebolinha picados
5 folhas de alface crespa para decorar
Molho:
1 ½ xícara (chá) de creme de leite
6 colheres (sopa) de maionese
4 colheres (sopa) de mostarda
4 colheres (chá) de curry em pó
1.        Numa vasilha grande, misture bem todos os ingredientes (menos a alface) e reserve.
2.        Numa vasilha pequena, coloque o creme de leite, a maionese, a mostarda e o curry. Misture até obter um creme homogêneo. Coloque em uma molheira e reserve.
3.        Forre uma travessa com as folhas de alface e acomode sobre elas o salpicão de frango desfiado. Sirva com o molho.
4.        Fonte: WWW.sadia.com.br


sexta-feira, novembro 15, 2013

15/11/2013 - Dolce fare niente: preguiça, gula e feriadão

por Luciane Daux
Reprodução da obra Dolce Fare Niente, de John William Godward
Perfeita para esses dias de feriadão, a expressão em italiano significa “doce fazer nada”, ou uma indolência permitida que, vez por outra, mal não faz. Para agradar com sabor e sem perder a pose, receitas absolutamente simples e que dispensam grandes elaborações. E se bateu a preguiça a gente te ajuda e indica seus melhores amigos na cozinha: abridor de latas, liquidificador, micro-ondas panela de pressão e máquina de lavar louça. Bom descanso, amigos!

Graziela Siega 
Ostras: cozinha de terroir
Quatro pitadas
Cozinha terroir - Pratos feitos apenas com produtos da região, incrementando a economia e valorizando a cultura locais. Esse é o conceito da cozinha terroir, ou de origem. O restaurante Bate Ponto, em Santo Antonio de Lisboa, segue esse preceito e oferece os “pescados do dia”, recém saídos do mar. As ostras (foto), também produzidas na região, são depuradas no próprio restaurante, num processo de 12 horas de filtragem da água do mar do aquário aonde elas são depositadas logo após serem colhidas. Além disso, o passeio ao vilarejo, um dos mais antigos da nossa cidade, é sempre muito agradável.
e-book de culinária - A catarinense Mueller, de Timbó, uma das mais tradicionais empresas fabricantes de eletrodomésticos “linha branca” do país, está oferecendo aos curtidores de sua fanpage no Facebook o e-book Grandes Receitas Mueller. São receitas de chefs parceiros e de consumidores como o arroz com costelinha, bobó de camarão e outras da culinária brasileira, e podem ser acessadas pelo WWW.facebook.com.br/mueller.ind
Faca e filé – Vai até o próximo dia 19 a promoção Steaknife do Outback Steakhouse que oferece uma opção de salada, um Strip Steak de 325g e um acompanhamento por R$ 49,90, e ainda levar para casa uma faca exclusiva da rede, aquela ótima para usar com grelhados. A ação vale de domingo a quarta, a partir das 18h.
Sorvete de pimenta – A Amoratto, sempre inventando moda, agora criou o sorvete de pimenta. Uma mistura intrigante de gelado com picante, bem interessante como sobremesa e pode entrar na confecção de drinks, se acrescentarmos vodka ou tequila!

©iStockphoto.com/lockstockb 
Maminha mandriona (de panela de pressão)
Mais simples e saboroso, impossível. Salgue pouco e apimente uma maminha média. Aqueça a panela de pressão, coloque uma colher (sopa) de manteiga e doure ali a maminha, virando quando estiver pegando cor de um lado. Desligue. Junte um copo de água, o conteúdo de uma sopa de cebola em saquinho, uma lata de cerveja preta e dois tomates picados, sem pele nem sementes. Feche, leve para o fogo baixo e deixe por 30 minutos depois que começar a ferver. Deixe esfriar, corte em fatias, acrescente cogumelos ao molho e sirva com ervilhas e cenouras.

©iStockphoto.com/EdwinP
Cuca de maçã de preguiçoso
Não leva massa, só leva o que interessa: muito recheio e farofa!
6 maçãs vermelhas descascadas e fatiadas
Suco de 1 limão
Canela em pó a gosto
6 colheres (sopa) de açúcar

Farofa:
1 xícara (chá) de farinha de trigo
120g de manteiga
½ xícara (chá) de açúcar
½ xícara (chá) de nozes picadas
1 colher (chá) de canela em pó

1. Misture o suco de limão às fatias de maçã.
2. Unte um refratário com manteiga e faça uma camada com metade das maçãs, polvilhe com canela e açúcar, e coloque a segunda camada de maçãs.
3. À parte misture com os dedos os ingredientes da farofa. Coloque por cima das maçãs.
4. Leve ao forno médio (180 a 200oC) por 40 minutos ou até dourar.
5. Sirva com chantilly ou sorvete.
6. Rendimento: 10 fatias

Luciane Daux
Arroz de polvo malandrinho
Acabou-se o mistério. O polvo, cozido assim de maneira simples, fica macio e saboroso, em uma receita de origem portuguesa.
1,5 de tentáculos de polvo limpos e crus
2 folhas de louro
1 talo de salsão
1 cebola branca pequena
1 xícara (chá) de vinho branco
½ xícara (chá) de azeite de oliva
1 xícara (chá) de cebola branca picadinha
2 colheres (sopa) de alho picadinho
Água para completar o caldo
400g de arroz parboilizado cru
½ xícara (chá) de salsinha picada
Sal e pimenta do reino a gosto

1.        Lave bem os tentáculos do polvo e coloque-os em uma panela com o vinho branco, a cebola pequena inteira, o talo de salsão e as folhas de louro. Tampe e leve para cozinhar (sem acrescentar mais água) em fogo baixo por 50 minutos.
2.        Ao final desse tempo retire os tentáculos e deixe esfriar, corte-os em rodelas do tamanho de uma garfada. Reserve. Coe o caldo apurado no cozimento, acrescente água até obter um litro e reserve.
3.        Em uma panela aqueça o azeite de oliva em fogo médio. Coloque ali a cebola picada e refogue até murchar. Junte, então, o alho e deixe murchar. Acrescente o arroz e refogue até que comece a fritar.
4.        Junte agora o caldo do polvo, coloque sal e tampe. Baixe o fogo. Ao final de 15 minutos, abra a panela e junte o polvo. Mexa, deixe novamente levantar fervura, prove e acerte o sal. Desligue. Sirva salpicado de salsinha.

5.        Rendimento: 6 porções.

sexta-feira, novembro 08, 2013

08/11/2013 - Um século e um pouco mais: segredos da cozinha da Vó Otília

EDIÇÃO DE 08/11/2013  DA COLUNA COZINHA DE ESTAR/JORNAL NOTÍCIAS DO DIA, por Luciane Daux
Luciane Daux
Ela nasceu em 1910, no dia 9 de novembro. Sempre esteve à frente do seu tempo, e como a 1ª mulher motorista de Florianópolis, cruzou com o seu Chrysler a ponte Hercílio Luz em 1926 – ano da sua inauguração. Sabe lá o que é isso? Entende o que é internet, embora ainda peça para “tirar uma chapa” quando quer uma fotografia. Tem ciência de tudo e de todos: política, economia, novelas, quem casou, e acompanha o dia a dia da cidade pelo Notícias do Dia. Na década de 1950, para manter a casa e as três filhas, além de trabalhar na Assembleia Legislativa, ainda fazia alta costura em casa, vestindo noivas e senhoras das tradicionais famílias da sociedade da época. Também ajudava o orçamento apertado fazendo bolos de vários andares e docinhos delicados para casamentos: de nozes, castanhas, tâmaras, damascos, ovos moles. Aos domingos reunia todos os dez netos para o almoço. Esperávamos a semana inteira pelo seu tradicional macarrão, o quindim e o manjar branco. Assim, determinada, minha avó Otília Garofallis Fialho chega aos seus 103 anos amanhã, senhora das suas vontades, contemplando a vida com alegria e fé. Parabéns, Vó Otília!

Kenn Robert Sosa
Tudo muito natural
O suco de fruta natural está em voga. Seja para acompanhar a refeição, como alimentação saudável e nutritiva ou como opção refrescante para os dias de calor, as mais diversas frutas foram para o liquificador em benefício do bem estar:
·         Em Jurerê Internacional, o novo Supermercado Imperatriz, inaugurado essa semana seguindo um conceito de loja verde, oferece o surpreendentemente delicioso suco de melancia, além de abacaxi com hortelã, laranja e água de coco, processados diariamente no local. Os mesmos sabores também estão na loja Gourmet do Beiramar Shopping.
·         Na Rua Bocaiuva, a recém inaugurada Balada Mix, franquia que revolucionou o conceito de casas de sucos no Rio de Janeiro, oferece o suco Detox à base de água de coco, gengibre, couve, hortelã e abacaxi.
·         Na Lagoa, o Degrau em Grau apostou nos drinks sem álcool, uma saborosa solução para o necessário “se dirigir não beba”. Além do Passion, com frutas vermelhas, a casa oferece também o Amarillo (foto). Para fazê-lo você vai precisar de uma colher (sopa) de polpa natural de maracujá e 8 a 9 folhas de hortelã, uma colher (sopa rasa) de açúcar. Macere esses ingredientes e então acrescente 100ml de suco de laranja. Bata na coqueteleira com cubos de gelo, coloque no copo e complete com água de coco.

Luciane Daux
Macarrão da Vó Otília
Em uma superfície de madeira, faça um montinho com 600g de farinha de trigo e uma pitada de sal. Quebre no meio do montinho seis ovos grandes e vá misturando à farinha, inicialmente com a ponta dos dedos e depois com as mãos, até que fique tudo bem incorporado. A massa deve ser bem compacta e dura. Corte em fatias, polvilhe com mais farinha e vá passando pelo rolo liso da máquina de macarrão, até que obtenha uma espessura bem fina (em torno de 1mm). Passe então no rolo de corte de fettucine. Deixe a massa cortada secar sobre a bancada e então cozinhe em água fervente abundante, com sal. A medida é um ovo por pessoa.









Luciane Daux
Manjar branco com calda de ameixas
“Tem que ficar firme para poder cortar com faca”, a dona da receita diz, enquanto prova o manjar que fiz na forma que, por tantas décadas, ela usou para fazer o doce para nós, filhas, netos e bisnetos.
1 lata de leite condensado
1 lata de leite de coco
2 latas de leite de vaca
4 colheres (sopa, bem cheias) de maisena

Calda
2 xícaras (chá) de ameixas sem caroço
1 xícara (chá) de açúcar
1 ½ xícara (chá) de água

1.        Desmanche a maisena no leite de vaca.
2.        Leve para ferver em fogo médio-baixo o leite condensado, o leite de coco e o leite de vaca com a maisena. Mexa sempre! Quando levantar fervura continue cozinhando por mais uns dois minutos, mexendo com a colher de pau, até obter um mingau cremoso. Desligue.
3.        Passe uma forma de pudim (furo) em água gelada e ali coloque o mingau. Leve para gelar de um dia para o outro.
4.        À parte, faça uma calda levando para ferver as ameixas com o açúcar e água. Cozinhe em fogo médio até que as ameixas comecem a ficar macias. Deixe esfriar.
5.        Desenforme o manjar e cubra com a calda de ameixas.

Luciane Daux
Quindim de coco
18 gemas passadas pela peneira fina
500g de açúcar
1 ½  xícara (chá) de água
1 colher (sopa) de manteiga
1 unidade ou uma xícara (chá) coco ralado no ralo grosso

1.        Leve o açúcar e a água para ferver em uma panela. Não mexa, pois pode açucarar. Quando virar uma calda em ponto médio, ainda clarinha, desligue, junte a manteiga e deixe amornar.
2.        Misture as gemas peneiradas à calda morna com a manteiga e o coco ralado.
3.        Unte uma forma ou um refratário médios ou 12 forminhas de empada com manteiga, e coloque ali a massa do quindim.
4.        Aqueça o forno a 180oC e asse o quindim em banho-Maria. Se utilizar forma ou refratário, serão aproximadamente 30 minutos de forno; se usar forminhas de empada serão 15 minutos apenas, ou até que, enfiando um palito, esse saia limpo. Retire do forno, deixe amornar e desenforme.






sexta-feira, novembro 01, 2013

01/11/2013 - Gorgonzola, um senhor queijo


EDIÇÃO DE 01/11/2013  DA COLUNA COZINHA DE ESTAR/JORNAL NOTÍCIAS DO DIA, por Luciane Daux
©iStockphoto.com/halifaxsxc
Relatos históricos nos levam ao século IX, na localidade de Gorgonzola, proximidades de Milão (Lombardia). Um queijo feito de leite gordo de vaca, de sabor levemente salgado e picante. O aroma é forte, responsável por sentimentos antagônicos: amá-lo ou odiá-lo?  Para quem pensa que queijo é só aperitivo, ele vem para provar que faz bonito in natura, como entrada, prato principal e até como sobremesa. Junto com seu primo francês Roquefort, está entre meus preferidos.

Gorgonzola X Roquefort
O Gorgonzola nasceu na Itália e é feito a base de leite de vaca. O Roquefort, por sua vez, nasceu na França e é feito com leite de ovelha. Ambos são queijos azuis (blue cheese) e têm os veios azulados, produtos do fungo do gênero penicillium (glaucun e roqueforti, respectivamente) e passam por processos de salga e maturação.

Bons casamentos
Misturado à polenta mole
Peras cruas em fatias ou num risotto
Damascos recheados
Num molho para massas, com nozes
Em pedaços, na salada verde
Na pizza

Qual vinho?
“Os vinhos de sobremesa, em especial os brancos de colheita tardia ou botrytisados, casam perfeitamente com o Gorgonzola. Devido ao grande equilíbrio entre a doçura e acidez, limpam a boca e exaltam os sabores. A combinação clássica é com o Sauternes, mas indicamos aqui o lendário Tokay Aszú 6 Puttonyos Pendits/Hungria, para uma completa harmonia pela força aromática de ambos e os seus contrastes,” nos indica a sommelière Regina Essenburg, da Essen e Decanter Vinhos.

Divulgação
Gourmandises Catarinenses
Será lançado no próximo dia 4 de novembro, na Assembléia Legislativa, o livro Gourmandises Catarinenses. Escrito pelo jornalista João Lombardo e produzido pela Propague, é um mergulho na cozinha clássica, na nova gastronomia (apresenta 60 receitas de chefs que atuam nos restaurantes do Estado) e nos produtos premium de Santa Catarina, como os vinhos finos de altitude, as cervejas artesanais e os destilados.  Uma obra que merece destaque em qualquer biblioteca de gastronomia.









Luciane Daux
Camarões gratinados sobre abóbora

600g de camarões médios sem casca
½  cebola média picada
2 dentes de alho picados
2 colheres (sopa) de manteiga
4 colheres (sopa) de suco de limão siciliano
200g de creme de leite (pode ser o da caixinha)
200g de queijo gorgonzola
200ml de caldo de legumes
1 rodela de abóbora de pescoço de aproximadamente 600 a 800g, com a casca
Azeite de oliva para untar
Sal a gosto

1.        Unte a rodela de abóbora com azeite de oliva. Salgue ligeiramente e leve ao forno médio (200oC) em assadeira antiaderente por 40 minutos, virando na metade do tempo. Se ao final desse tempo a abóbora ainda não estiver macia, deixe um pouco mais. Retire do forno e reserve na forma.
2.        Tempere o camarão com o suco de limão e sal e deixe tomar gosto por 30 minutos.
3.        Numa panela média, doure a cebola em fogo médio. Junte o alho, refogue e então acrescente o camarão, mexendo sempre. Quando o camarão mudar de cor e ficar rosado, acrescente o creme de leite e o queijo gorgonzola amassado. Deixe levantar fervura, acerte o sal e desligue.
4.        Coloque o camarão com o molho de queijo sobre a rodela de abóbora assada e leve ao forno médio (200oC) até ferver.
5.        Sirva com arroz branco.

©iStockphoto.com/pixelfreak
Cogumelos recheados
(6 porções)
2 colheres (sopa) azeite de oliva
2 dentes de alho picados
50g de vinho branco
100g caldo de vegetais
18 cogumelos tipo Paris ou Terras Altas médios
40g farinha de rosca
100g queijo gorgonzola cortado em 18 pedacinhos
40g parmesão ralado
30g de salsinha picada
Pimenta do reino e sal a gosto
1 tomate sem sementes em tirinhas

1.        Limpe os cogumelos com um pano úmido ou papel toalha (jamais passe os cogumelos em água!). Retire os cabinhos dos cogumelos e pique-os. Reserve os chapéus.
2.        Murche o alho com o azeite de oliva. Junte os cabinhos picados e refogue bem até que fiquem bem macios.  Acrescente o vinho branco e o caldo de legumes e deixe levantar fervura. Desligue, junte a farinha de rosca, acerte o sal e pimenta.
3.        Recheie os chapéus dos cogumelos colocando no fundo um pedacinho do gorgonzola e cobrindo com o refogado. Polvilhe com parmesão. Coloque um pedacinho de tomate.
4.        Leve ao forno alto, e pré-aquecido, por 15 minutos ou até os cogumelos ficarem macios.


Sinta-se à vontade para comentar os posts.
(faça seu comentário ao final de cada post, no símbolo da canetinha).

Obrigada pela visita!

Lu