Gastronomia, culinária e outros interesses para os apaixonados
pelo prazer de cozinhar, comer bem e harmonizar.

Por Luciane Daux

sexta-feira, fevereiro 25, 2011

25/02/2011 - FloripAlegria! A gente se encontra lá

EDIÇÃO DE 25/02/2011 DO JORNAL NOTÍCIAS DO DIA,
por LUCIANE DAUX

FloripAlegria: a gente se encontra lá, amanhã (26/2)
Estou ansiosa por amanhã, pela primeira edição do FloripAlegria, uma realização do Grupo RIC. Além do envolvimento gastronômico, estou orgulhosa também porque o nosso ND está comemorando cinco anos, mesmo tempo em que eu venho dividindo minha paixão pela cozinha com você, leitora e leitor. As receitas da coluna são duas amostras das delícias que teremos amanhã. Te vejo lá!

La Padá
Padaria, empório ou café bistrô? Todas as opções estão corretas para definir o novíssimo La Padá, que estréia a primeira fornada hoje. A receita é simples: cardápio assinado por chef “cordon bleu”, equipe orientada por barista premiado, empório com iguarias exclusivas e pães diversificados fresquinhos, num espaço elegante. Que bom, estávamos precisando disso! Fica na Avenida Rio Branco, 597.

Momento Gourmet do FloripAlegria  (foto Divulgação)
Das 14 às 16h serão degustadas receitas a base de arroz (risotos) criados por nós, colunistas do ND: Ricardinho Machado, Leo Coelho, Luiza Gutierrez, Paulo Alceu, Cláudia Gomes e eu, que estaremos lá, além daquelas enviadas por Ana Hickmann e Edu Guedes. Também durante horário haverá degustação de espumante.

Os embalos
Das 16 às 19h a festa será embalada pelo DJ Henrique Fernandes e o grupo show da Escola de Samba Protegidos da Princesa. Para encerrar o dia festivo, a partir das 19h tem show nacional de Lulu Santos.

Serviço (foto P12 Blog Jurerê Internacional)
Data: 26 de fevereiro (sábado)
Horário: A partir das 14h
Local: P12, em Jurerê Internacional
Ingressos: No P12, no escritório do El Divino Lounge e pelo site http://www.blueticket.com.br/




Arroz ensopadinho com camarão a la Ricaldinho da Ilha (foto Cooking Light)
Receita de Ricardinho Machado
1 kg de arroz cozido
3 kg de camarões médios com casca
1 colher (sopa) de salsinha picada
1 colher (sopa) de cebolinha picada
1 colher (sopa) de ervas da provence picadas
1 colher (sopa) de manjericão picado

Refogado:
4 colheres (sopa) de azeite
1 cebola picada
2 dentes de alho picados
4 tomates sem pele picados
Sal e pimenta a gosto
Limão a gosto
Queijo ralado para polvilhar
Tempero verde picadinho para polvilhar

1. Descasque o camarão. Passe as cabeças no liquidificador, coe e reserve o caldo.
2. Salpique apenas os temperos e ervas (sem o sal) no camarão e reserve-o na geladeira.
Faça um refogado com azeite, alho, depois cebola e quando estiverem dourados, acrescente tomate picado. Acrescente o caldo da cabeça, sal e os camarões descascados. Cozinhe por 15 minutos e volte a temperar a gosto.
3. Ponha uma camada de arroz cozido num pirex e intercale com o caldo de camarão. Deve ficar com bastante caldo, como um ensopadinho.
4. Cubra com queijo ralado e uns raminhos de tempero verde. E bon apetit!!!

Arroz à bolonhesa
Receita de Edu Guedes
2 kg de arroz cozido
4 colheres (sopa) de azeite de oliva
2 cebola picada
4 dentes de alho picados
1 kg carne moída
1 ½ xícara (chá) de azeitona preta picada
2 cenoura cortada em cubos
2 xícara (chá) de ervilha em conserva
2 xícara (chá) de milho verde em conserva (sem a água)
6 tomates sem pele e sem sementes picados
4 xícaras (chá) de molho de tomate
2 tablete de caldo de carne
1 xícara (chá) de água fervente
1 ½ xícara (chá) de queijo tipo mussarela ralado
1 xícara (chá) de queijo tipo parmesão ralado
Sal a gosto
Pimenta-do-reino a gosto

1. Em uma panela, aqueça o azeite e doure a cebola e o alho.
2. Acrescente a carne moída e refogue-a.
3. Junte a azeitona, a cenoura, a ervilha, o milho, o tomate, o molho de tomate, o caldo de carne dissolvido na água fervente, o sal, a pimenta-do-reino, misture e deixe cozinhar por 10 minutos.
4. Coloque uma porção de arroz no fundo de um refratário até cobri-lo e distribua o molho com a carne.
5. Cubra com o restante do arroz, salpique os queijos e leve ao forno médio (180 ºC) pré-aquecido por cerca de 20 minutos.

quarta-feira, fevereiro 23, 2011

Decanter Vinhos traz ao Brasil vinhos premiados

Divulgação Decanter
O português Anselmo Mendes acaba de ser eleito, pela Revista de Vinhos, o “Produtor do Ano de 2010”, uma espécie de “Oscar do vinho”. Além disso, o produtor recebeu o  pelo Alvarinho Parcela Única 2009 recebeu o Prêmio Excelência, e  o Alvarinho Muros Antigos 2009, Alvarinho Muros de Melgaço 2009 e o Loureiro Muros Antigos 2009 receberam a distinção de “Melhores de Portugal”.


Além disso, dos TOP100 vinhos argentinos do crítico americano Stephen Tanzer, editor da Wine Cellar, 15 podem ser encontrados na Decanter. Entre eles estão Luigi Bosca, Viña Alicia, Colomé e Riglos.

Sobre a Decanter
Fundada em Blumenau em 1997, a Decanter é a segunda maior importadora de vinhos finos do país e é a primeira na região Sul do Brasil. Com mais de 40 distribuidores, reúne cerca de 160 produtores de 16 países diferentes, em mil rótulos.
A matriz se situa em Blumenau, com filiais em Florianópolis e São Paulo. Conta também com ampla rede de distribuidores e 13 Enotecas: em Blumenau, São Paulo, Santos, Marília, Piracicaba, Belo Horizonte, Curitiba, Campo Grande, Balneário Camboriú, Joinville, Jaraguá do Sul, Florianópolis e São Bento do Sul.

Em Florianópolis
Rua Hermann Blumenau, 207 - Loja 01 - Sobre loja
Fone: 48 3223-6884
e-mail: decanter@essenvinhos.com.br
Contato: Nelson Essenburg e Regina Essenburg

A volta triunfal dos vinhos alemães!

Diferentemente do que muita gente pensa, os vinhos alemães não são aqueles brancos adocicados, de pouco corpo, que invadiram as prateleiras dos supermercados, na década de 1980. Nem são apenas os Liebfraumilch, muitos dos quais comercializados no Brasil dentro de garrafas azuis. Uma estratégia de marketing de importadores, à época.

Muito mais do que isso, os vinhos alemães, majoritariamente brancos, revelam a grande expressão de uvas como a Riesling, Silvaner, Müller-Thurgau e Weissburgunder, brancas; e da Spätburgunder, tinta. São vinhos intensos, frescos e minerais, para o copo e para a mesa. Eles são grandes companheiros não só para a culinária alemã, mas também para a cozinha do mar, culinária oriental, para preparos com carnes de aves, carnes suínas e tantos outros pratos da gastronomia internacional.

Para desfazer a imagem equivocada que os brasileiros têm dos vinhos alemães, a Essen e Decanter promovem no próximo dia 01 de março, uma noite especial. Ela será dedicada aos vinhos alemães de alta qualidade. Serão degustados quatro vinhos alemães, de estilos diferentes. Todos eles intensos e marcantes. E serão harmonizados outros três vinhos, com pratos da culinária internacional. Uma noite para rever conceitos. Ou preconceitos. A degustação será conduzida pelo sommelier e jornalista João Lombardo. Esperamos você!

Os vinhos da degustação:
• Horst Sauer Escherndorfer Lump Silvaner Kabinett Trocken 2009
• Weissburgunder Trocken QbA 2007
• Riesling Mineralschiefer Trocken
• Eugen Müller Kirschentück Forst

Para o jantar:
• Franz Künstler Riesling Kabinett Trocken Hochheimer Hölle 2008
Sinfonia de ostras, camarões e tartar em azeite cítrico
• Meyer- Näkel Spätburgunder “G” 2008
Codornas assadas com arroz do bosque
• Forster Kirchenstück Riesling Auslese 2008
Tarte Tatin

Serviço:
Data: 01 de março de 2011
Horário: 20h às 23h
Local: Enoteca Decanter - Rua Hermann Blumenau 207-Centro-Fpolis (SC)
Valor:R$ 130,00 (vinhos e gastronomia)

Inscrições: por e-mail essenvinhos@essenvinhos.com.br ou telefone (48) 3223-1500 com Marta ou Dayse.
Confirmação de reservas: até 25 de fevereiro, pelo pagamento em dinheiro, cheque ou depósito Banco do Brasil Ag 3174-7 conta 702203-4 Essen Vinhos Ltda, CNPJ 00.858.210/0001-15 (enviar comprovante). Não poderá ser feito pagamento com cartão de crédito.

As vagas (limitadas) serão preenchidas de acordo com a formalização das confirmações.
Importante: reservas não confirmadas em 24 horas, serão desconsideradas.

terça-feira, fevereiro 22, 2011

Padaria, empório ou café bistrô? É a La Padá

La Padá abre suas portas em Florianópolis, nesta sexta-feira (25), apostando na harmonia entre serviço, produto e ambiente
Texto de Escritório de Comunicação/Jornalista Maristela Amorim
http://www.escritoriodcomunicacao.blogspot.com/


Florianópolis ganha uma opção especial de padaria, empório e café bistrô, reunidos num mesmo espaço, na região central. A La Padá estreia nesta sexta-feira (25/02), sua primeira fornada, com a proposta de oferecer produtos gostosos, frescos e variados, servidos diariamente, em ambiente aconchegante e despretensioso.

Duo de tartar, uma das receitas do cardápio
 Foto Marcello Ramalho/Divulgação
No endereço podem ser encontrados pães diversificados, com receitas elaboradas sob cuidadoso processo de fabricação. Tem ainda salgados de dar água na boca e doces de fina confeitaria, além de outras gostosas surpresas assinadas pela chef Fabiana Agostini – formada pela tradicional escola francesa Le Cordon Bleu e atualmente no comando do Café Santo Grão, na conceitual Oscar Freire, em São Paulo.

A carta de cafés sugere os mais puros blends para bebidas preciosas, com aromas encantadores. Cafés para serem degustados, como ensina o premiado barista Bruno Ferreira da Silva, que veio do Café Octávio, também de São Paulo, para orientar a equipe da La Padá, sempre pronta e atenta para servir.

Tudo isso num projeto que impressiona. O arquiteto Henrique Piemont aproveitou muito bem o madeiramento antigo em detalhes pontuais, trabalhou com cores clássicas nos estofamentos em couríssimo, camurça estonada e tecido de alfaiataria, e brincou com contrastes em estofados com estampa étnica e numa vistosa mesa em laca vermelha, estrategicamente colocada logo na entrada. Nas paredes, jardins verticais e quadros que remetem à bucólica Florianópolis de anos atrás, alguns deles com interferência do traço lúdico da artista plástica Adriana Volpi, de Blumenau.

Tanto capricho se justifica. A La Padá é um sonho do casal Natasha Macedo Ramalho e Marcello Ramalho, jovens e ousados empreendedores que queriam mais que um simples espaço para comércio de coisas irresistíveis. Imaginavam oferecer um lugar agradável, aconchegante, perfeito para encontrar amigos, saborear produtos típicos de padaria, relaxar com cafés gourmets e levar para casa iguarias do empório. Esse sonho eles já realizaram.

Serviço:
La Padá Padaria, empório, café bistrô
Avenida Rio Branco, 597
Telefone: (48) 3322-0099
Horário de funcionamento:
De segunda-feira a sábado, das 06h às 22 horas
Domingos e feriados, das 08h às 21 horas
http://www.lapadacafe.com.br/

sábado, fevereiro 19, 2011

18/02/2011 - Um espresso, por favor!

EDIÇÃO DE 18/02/2011 DO JORNAL NOTÍCIAS DO DIA,
por LUCIANE DAUX

Uma discussão sobre café, no twitter, trouxe a vontade de comer tiramisu (que, em italiano, quer dizer jogue-me para cima, e é o que ele realmente faz). Da vontade à realização foi um instante, e ficou decidido: hoje o assunto é café. Café de todo jeito: na xícara, no prato, quente e frio.

Foto Divulgação
Expresso ou espresso?
A resposta quem deu foi o químico italiano Ernesto Illy, fundador do Illycaffè, mundialmente apreciado. Segundo o Dr. Illy, “o termo espresso refere-se a um pedido feito para a ocasião: o café é preparado coando-se rapidamente uma pequena quantidade de água aquecida e pressurizada por um bolo comprimido de grãos de café torrado, moídos bem fino”. Ao contrário do que muitos pensam, então, pode até lembrar expresso, porque se obtém rapidamente (apesar de que, bem tirado, é tão saboroso que merece um lento ritual para apreciá-lo), mas o correto é espresso - palavra italiana, definindo o café obtido sob pressão.

Barista
É “o cara”, para quem gosta de café. É ele quem escolhe o grão do café, determina a melhor moagem, regula com perfeição a temperatura e a pressão da máquina, para, com precisão, “tirar” um bom espresso. A profissão de barista nasceu na Itália, e o Brasil já tem muitos bons profissionais.

Receitas dos colunistas no Floripalegria
No Floripalegria, que acontece dia 26/2 no P12, em Jurerê Internacional, as receitas do Momento Gourmet serão assinadas por nós, colunistas do seu Notícias do Dia. A festa dará início às comemorações dos cinco anos do ND, e terá atrações como o DJ Henrique Fernandes e show de Lulu Santos. Informações sobre compra de ingressos pelo fone 3284-8156.

Foto Divulgação
Iced coffee
Faça um café bem forte (com espresso é ainda melhor) e adoce a gosto. Leve para gelar. Encha um copo com cubos de gelo. Coloque leite até 2/3 do volume do copo e complete com o café adoçado e gelado.

Foto Divulgação
Café vienense
Adoce um café espresso a gosto e leve para gelar. Numa taça ou xícara de vidro, coloque uma bola de sorvete de creme ou baunilha, e complete com o café adoçado e gelado. Finalize com creme chantili.

Pelas redes sociais
  • Receita de cobertura ou recheio de café da queridíssima leitora Dona Maria de Lurdes Campos Elias, enviada pela sua filha Beatriz. Diz ela: “na batedeira junte 200g de manteiga, 250g de açúcar, 2 gemas e 3 a 4 colheres de sopa de café forte. Bata bem e está pronto!”
  • A leitora Silvia Breda Pierson diz: “minha sobremesa preferida é a Panna Cotta de Café. É só incluir alguns grãos de café na hora de ferver o creme de leite fresco e depois removê-los. Uma delícia!”
Panela de Pressão/Divulgação
Tiramisu
(6 porções)
300g de nata batida em chantili
200g de cream cheese tradicional*
200g de café espresso (sem açúcar)
50g de brandy (se desejar, ou licor de café ou rum)
125g de açúcar
4 gemas
2 claras em neve
200g de biscoitos savoiardi (ou dedos de dama ou em último caso, Champanhe)
3 colheres (sopa) de cacau em pó

1. Bata as gemas com o açúcar até obter um creme claro. Misture às gemas a nata em chantili, o cream cheese e as claras em neve.
2. Misture o brandy ao café. Numa forma com borda alta, faça uma camada com metade dos biscoitos umedecidos no café. Coloque por cima metade do creme. Repita a operação finalizando com o creme.
3. Leve para gelar por 6 horas, polvilhe com o cacau em pó e sirva.
4. *Originalmente essa receita é feita com queijo mascarpone. Caso deseje usá-lo, substitua a nata e o cream cheese por 500g desse queijo.

Luciane Daux/Divulgação
Bonet
(6 porções)
400ml de leite
40g de cacau em pó
40g de chocolate cobertura meio amargo
100g biscoitos amaretti ou champanhe
50g café espresso
80g açúcar refinado
3 ovos
1 gema
50ml de rum

1. Leve para ferver o leite e o café.
2. Bata os ovos inteiros com a gema, o açúcar e o cacau em pó, misture o chocolate cobertura picado, o rum e o biscoito amaretti amassado. Junte o leite com café ao ovo.
3. Faça um caramelo com uma xícara (chá) de açúcar e meia xícara (chá) de água e caramelize 6 forminhas (tipo empada).
4. Encha as forminhas com o creme, e leve ao forno a 160oC por 45 minutos, em banho-maria.
5. Desenforme e sirva quente ou frio, enfeitado com uma cereja.

Mousse de café, chocolate e menta
90ml de água
130g de açúcar
4 gemas
120g de chocolate meio amargo
6 colheres (sopa) de café forte frio
400ml de creme de leite fresco
5 colheres (sopa) Crème de Menthe (licor de menta)

1. Leve ao fogo água e o açúcar e deixe ferver até começar a adquirir a cor dourada de caramelo.
2. Enquanto isso, bata as gemas em velocidade alta até ficarem clarinhas. Quando a calda atingir uma cor amarelo clarinho, despeje devagar a calda sobre as gemas, sempre batendo. Ao terminar a calda, continue batendo as gemas em velocidade alta por mais 5 minutos, até formar uma mistura cremosa. Leve à geladeira em um recipiente bem fechado.
3. À parte, derreta o chocolate em banho-maria e misture ao café frio.
4. Bata o creme de leite fresco e gelado até alcançar o ponto de chantilly. Junte o creme de gemas e bata só até misturar tudo. Separe cerca de 1/3 desse creme e misture o licor de menta.
5. Adicione o chocolate derretido com café aos 2/3 de creme restantes e misture delicadamente. Leve à geladeira os dois cremes separadamente em potes bem fechados. Deixe gelar por no mínimo 2 horas para firmar as mousses, depois monte-as em taças individuais.
6. Receita do blog Chocorango.

Receitas dos Leitores
A leitora Maristela Paes Leme, que já colaborou outras vezes com a colina Cozinha de Estar, é natural de Minas Geras, terra do café. Mandou pra gente duas receitas da fazenda. Myllene Camilli também se animou com o tema café e mandou uma sobremesa de encher a boca de água. Já Eliana Kouri enviou uma receita sofisticada e italiana, como o próprio espresso.


Bolo de chocolate com café
Leitora Maristela Paes Leme
3 ovos
9 colheres de sopa açúcar refinado
9 colheres de sopa farinha de trigo
2 colheres de sopa de margarina
2 colheres de sopa de chocolate em pó (usar do Padre. Se for Nescau/Toddy diminuir açúcar)
1 copo americano de café sem açúcar e forte
1 colher de sopa de pó royal

Bater claras em neve e reservar. Bater ovos, açúcar, margarina.
Acrescentar farinha de trigo e chocolate. Em seguida copo café e claras em neve. Por fim pó royal. Untar forma e colocar para assar em fogo baixo.

Cobertura:
1 caixinha de creme de leite
2 colheres de sopa de chocolate em pó

Deixar ferver um pouco e colocar sobre o bolo ao tirar do fogo.

Creme de café
Leitora Maristela Paes Leme
“Minha mãe também faz o creme de café para tomar com leite quente.”

1 vidro pequeno de Nescafé
2 copos de açúcar cristal
1 copo de água fervendo

Colocar a água fervendo sobre os outros ingredientes e bater tudo junto na batedeira até render quase uma vasilha de 2 litros de sorvete. Congelar. Para servir colocar uma colher na xícara e adicionar leite quente por cima.

Torta de Amaretti
Leitora Eliana Kouri
3 ovos
200g de açúcar
100g de manteiga derretida
200g de biscoito amaretti esfarelado
1 xícara (café) de café adoçado
½ xícara (café) de rum
1 colher (chá) rasa de fermento em pó

Bata os ovos com o açúcar.
Mistute a manteiga, o biscoito esfarelado, café, rum, fermento.
Unte uma forma com manteiga e enfarinhe.
Leve ao forno pré-aquecido, a 160oC, por 40 minutos.
Espere esfriar e está pronto.

Torta Gelada de Café
Da leitora Myllene Camilli
4 potes de chantibon
1 pacote de suspiro

Creme de café:
1 pacote de manteiga (200g)
1 pote de nata
5 gemas
6 colheres (sopa) de açúcar
5 colheres (chá) de Nescafé diluído em pouca água
2 xícaras (chá) de nozes picadas

Calda:
1 xícara (chá) de Nescau
1 xícara (chá) de açúcar
1 xícara (chá) de leite
5 colheres (sopa) de margarina

1. Bata as gemas com o açúcar, a manteiga e a nata até ficar um creme de cor clara. Acrescente o Nescafé e as nozes.
2. Montagem:
1ª camada: 2 potes de chantibon
2ª camada: suspiros quebrados
3ª camada: creme de café
4ª camada: 2 potes de chantibon


1 xícara de Nescau
1 xícara de açúcar
1 xícara de leite
5 colheres (sopa) de margarina

Jogar sobre o sorvete após estar 12 horas no congelador, furando com um garfo para penetrar no sorvete.

domingo, fevereiro 13, 2011

Kir Royale: muito, muito elegante

Aprenda a fazer o delicioso Kir Royale, receita que sugiro na edição n. 5 da Revista do Clube do Champanhe, fevereiro/2011 (clique sobre a imagem para ampliá-la)

O drink é um clássico da coquetelaria. A primeira vez que tomei um Kir Royale foi no Brasil, mas a melhor experiência foi em Epernay, capital da região de Champagne. E nem poderia ser diferente. É como eles dizem por lá: tomar champagne em Epernay é como ouvir Mozart em Salzburg. Mas conta a história que o Kir nasceu em Dijon, criado por um Padre chamado Felix Kir. Inicialmente feito com o maravilhoso Chardonnay da Borgogna e licor de cassis, com o tempo o drink foi se sofisticando. Trocando o vinho pelo champagne, passou a se chamar Kir Royale, ou Kir Royal. Os franceses dizem que por trás de um Kir Royale sempre tem uma mulher bonita... e de bom gosto, gosto de acrescentar!


Kir Royale

4 partes de champagne brut
1 parte de licor de cassis

Em uma taça flûte, coloque primeiro o champagne brut bem gelado. Encoste a garrafa de licor na parede da taça e faça “escorrer” por ali o cassis, evitando que ele se misture ao champagne, e se depositando no fundo da taça, por causa de diferença de densidade das bebidas. Se desejar, coloque uma cereja em calda e uma raspa de laranja dentro do drink, para decorar.

sexta-feira, fevereiro 11, 2011

11/02/2011 - Pura sensação: pimenta dedo-de-moça

EDIÇÃO DE 11/02/2011 DO JORNAL NOTÍCIAS DO DIA,
por LUCIANE DAUX







Foto Divulgação
Há quem diga que a pimenta é o tempero do amor, por acreditar que seja afrodisíaca. E há os que juram que ela afasta o mau-olhado. Eu acredito nas duas coisas e também que, bem colocada, pode ser um elemento bastante prazeiroso numa receita. Gosto especialmente daquela dedo-de-moça, que usaremos nas receitas de hoje. Sabendo que as partes mais picantes são as sementes e as membranas esbranquiçadas, retiro-as e uso somente a polpa.

Enxaqueca? Pimenta nela
Assim que você ingere um alimento apimentado, a capsaicina ou a piperina ativam receptores sensíveis na língua e na boca. Seu cérebro, enganado pela informação (de fogo), inicia a fabricação de endorfinas, que permanecem um bom tempo no seu organismo, provocando uma sensação de bem-estar, uma euforia, um tipo de barato, um estado alterado de consciência muito agradável. Quanto mais ardida a pimenta, mais endorfina é produzida, menos dor e menos enxaqueca.” Dr. Alexandre Feldman, no livro Enxaqueca – só tem quem quer.

                                                                                                                                                       My Toy/Divulgação
Para anotações quentes
Olha só! Que bonitinha essa caneta para a sua cozinha: por R$ 15,21
na WWW.mytoy.com.br

Com moderação
As pimentas influenciam no perfume e persistência gustativa de um prato. Elas provocam uma sensação aromática/picante que, moderadamente, valoriza o gosto de um prato. Em excesso, no entanto, essa nota picante pode prevalecer no paladar e anular outras sensações gustativas do próprio prato ou de um vinho.” João Lombardo, jornalista, sommelier e apresentador do programa Pão e Vinho, da Record News/SC

Mais pimenta na coluna online do Jornal Notícias do Dia
Saiba como a pimenta combate a enxaqueca, e ainda: receita de Vatapá de Jorge Amado, e molho picante em WWW.ndonline.com.br/florianopolis/colunas

Colunistas mostram lado gourmet no Floripalegria
Ricardinho Machado, Luiza Gutierrez, Paulo Alceu, Léo Coelho, Claudia Gomes e eu, colunistas do ND, apresentaremos e serviremos receitas exclusivas, a base de arroz, no Floripalegria, que acontecerá dia 26/2 no P12, em Jurerê Internacional. A festa, que inicia as comemorações dos cinco anos do ND, terá atrações como o DJ Henrique Fernandes e show de Lulu Santos. Informações sobre compra de ingressos pelo fone 3284-8156.

Barão/Divulgação
Caipirinha de tangerina com pimenta
Um charme! Corte uma tangerina em fatias. Abra uma pimenta dedo-de-moça ao meio, retire as sementes e corte em fatias finas. Em um copo longo, junte duas colheres (sopa) açúcar com a tangerina e macere com um amassador. Adicione o gelo, a pimenta e 60ml de cachaça ou vodka. Com uma colher bailarina, misture bem de baixo para cima. Fonte: http://www.baraodrinks.blogspot.com/




Carne desfiada à mexicana
6 colheres (sopa) de óleo de soja
1 peça de lagarto de 1,5kg cortado em 6
4 dentes de alho picados
1 cebola picada
2 folhas de louro
Sal e pimenta do reino a gosto
2 pimentas dedo-de-moça sem sementes
Sal a gosto
2 pacotes de Doritos tradicionais

1. Em uma panela de pressão, murche a cebola e os dentes de alho. Acrescente a carne, folhas de louro e uma pimenta dedo-de-moça picada.
2. Cubra com água, tampe e leve para ferver por 50 minutos, após começar a ferver.
3. Desligue, deixe esfriar bem a panela antes de abrir.
4. Desfie a carne com a ajuda de dois garfos.
5. Sirva a carne com uma pimenta picada por cima e os doritos.

Paulo Motta/Divulgação
Camarões El Diablo MUITO PICANTE
Chef Jefferson Fonseca (Espaço Gourmet Gastronomia)
1,5 kg de camarões médios sem casca
50g de pimenta vermelha dedo-de-moça
Molho de pimenta vermelha Tabasco a gosto
200 ml de extrato de tomate
páprica picante
1/2 cebola picada
2 dentes de alho
conhaque para flambar
sal a gosto
salsinha picada
azeite de oliva

1. Corte as pimentas dedo de moça ao meio e retire as sementes, pique em quadradinhos.
2. Em uma frigideira aqueça o azeite, refogue a cebola e o alho, adicione as pimentas dedo de moça e em seguida grelhe os camarões, rapidamente.
3. Flambe com o conhaque e depois tempere com sal a gosto. Acrescente o extrato de tomate e deixe cozinhar por alguns minutos.
4. Acerte a picância com a pimenta tabasco e a páprica. Ao final decore com a salsinha picada.
5. Sirva com arroz ao leite de coco – aqui não tem receita, é só misturar um pouco de leite de coco durante o cozimento do arroz branco e mais um pouco ao final, se preferir mais cremoso.

Molho de pimenta
Para fazer um bom molho de pimenta caseiro, bata todos os ingredientes no liquidificador, e guarde-o na geladeira, em vidros bem fechados. Dica: tire as sementes da pimenta para um molho menos “quente”. Se for muito corajoso (a), deixe as sementes.
50g de pimenta dedo-de-moça
1 cebola branca
5 dentes de alho
1 lata pequena de extrato de tomate
2 cravos da índia
2 xícaras (chá) de vinagre de arroz
1 xícara (chá) de azeite de oliva
Sal a gosto

sábado, fevereiro 05, 2011

05/02/2011 - Programa Pão e Vinho - receitas do Piemonte

Foto Adriana de Nadai
João Lombardo, jornalista, sommelier e apresentador do Programa Pão e Vinho, na Record News/SC, me convidou para fazermos um programa de gastronomia italiana a quatro mãos. O tema: Piemonte, onde estivemos em 2010. Em outubro/novembro fui estudar gastronomia no ICIF (Italian Culinary Institute for Foreigners), em Costigliole d'Asti. Fiz o curso Breve, onde se aprende a gastronomia clássica italiana. João esteve na mesma escola em dezembro, estudando enologia.

Foto acervo pessoal

O Piemonte é uma região ao noroste da Itália, cujo capoluogo (capital) é Torino, ou Turim.O nome vem de Pé do Monte, no caso os Alpes, e logo ali o Mont Blanc, depois de cruzarmos o Val d'Aosta. Portanto, faz fronteira com a Suiça e a França, o que justifica o uso maciço da manteiga e outros derivados de leite.                                  
       
Nessa região são produzidos grandes ícones italianos como o vinho Barolo, os queijos parmeggiano e grana padano, o presunto de parma, o vinagre balsâmico de Modena, e o culatello de Zibello. Tive oportunidade de visitar produtores de todas essas delícias e prová-las, in loco, ano passado.
Vamos ao que interessa: às receitas que fizemos no Programa Pão e Vinho, com as harmonizações propostas e realizadas pelo João Lombardo. Assista o vídeo abaixo para melhor ilustrar o modo de fazer dessas preparações.



Foto Luciane Daux
Crostini alle ouva e salsa tartufata
Luciane Daux

Harmonização: Nebbiolo Langhe 2006, do produtor Giuseppe Mascarello

Como a salsa tartufata é de difícil acesso, proponho um patê de shiitake.

(6 porções)
18 fatias de ciabatta
18 ovos de codorna
100g de manteiga
1 dente de alho picado
300g de cogumelos shiitake
30ml de vinho tinto
Sal e pimenta do reino a gosto

1. Tire e descarte os cabinhos dos cogumelos.
2. Limpe os cogumelos com um pano úmido ou papel toalha (jamais passe os cogumelos em água!). Pique-os em cubinhos de 0,5 cm.
3. Derreta a manteiga. Unte as fatias de ciabatta com a manteiga derretida e leve-as para dourar em uma frigideira, somente de um lado. O outro lado deve permanecer macio.
4. Com o restante da manteiga murche o alho e refogue o shiitake com o vinho até secar. Acerte sal e pimenta.
5. Unte uma pequena frigideira com manteiga e frite os ovos de codorna, deixando a gema bem mole. Não coloque sal, pois ele deixará a gema esbranquiçada.
6. Faça a montagem: fatia de ciabatta, pasta de cogumelos e um ovo frito por cima. Leve ao forno por 5 minutos e sirva.

Foto Luciane Daux

Cotoletta d'agnello in crosta di nocciole delle Langhe
Luciane Daux
(Costeletas de cordeiro em crosta de avelãs do Langhe)

Harmonização: Barolo Livio Pavese DOCG 2005

1 kg carré de cordeiro
2 ovos
200ml caldo de cordeiro
5g tomilho picado
5g salsinha picada
300g manteiga clarificada
200g farinha de rosca
Farinha de trigo q.b.
Azeite de oliva q.b.
Sal q.b.
Pimenta do reino q.b.

1. Corte as costeletas da espessura de 2cm, limpe-as tirando os excessos.
2. Misture a farinha de rosca com o tomilho, salsinha, avelãs picada e leve à frigideira rapidamente para soltar os aromas.
3. Tempere as costeletas com sal e pimenta. Passe-as na farinha de trigo, no ovo batido e no pão perfumado com as ervas.
4. Leve-as para fritar na manteiga clarificada, escorra sobre papel toalha e sirva com molho e acompanhamento à escolha.

Foto Luciane Daux

Bönet
Luciane Daux

Harmonização: Do Lugar Moscatel, produzido pela vinícola Dal Pizzol

(6 porções)
400g de leite
40g de cacau em pó
40g de chocolate cobertura meio amargo
100g biscoitos amaretti
50g café espresso
80g açúcar refinado
150g de ovo (em torno de 3 unidades grandes)
20g de gema (em torno de 1 gema grande)
50g de rum

Caramelo:
200g de açúcar refinado
50g de água

1. Leve para ferver o leite e o café.
2. Bata os ovos inteiros com as gemas e o cacau em pó, o chocolate cobertura picado, o rum e o biscoito amaretti amassado.
3. Junte o leite com café ao ovo.
4. Faça uma calda dourada com a água e o açúcar e caramelize 6 forminhas (tipo empada).
5. Encha as forminhas com o creme.
6. Leve ao forno a 160oC por 45 minutos, em banho-maria.
7. Desenforme e sirva quente ou frio.

Vitello Tonnato
João Lombardo

Harmonização: Chardonnay L’Altro Pio Cesare 2008


1 corte de aproximadamente 600 g de carne de vitelo
200 ml de vinho branco
1 cebola
1 dente de alho
sal
2 grãos de pimenta do reino
Ramos de louro, tomilho e alecrim
1 colher de sopa de manteiga clarificada
Água o quanto baste

Vitelo:
· Doure o corte de vitelo, em fogo baixo, na manteiga clarificada.
· Acrescente o vinho branco, meia cebola, 1 dente de alho, as ervas aromáticas, a pimenta do reino e o sal.
· Cubra a peça acrescentando água ao preparo.
· Leve para cozinhar, em fogo brando, por cerca de 1 hora e meia.
· Retire do fogo e deixe esfriar.
· Corte a peça em finíssimas fatias e reserve.

Maionese de atum:
200 g de atum fresco
1 colher de sopa de azeite de oliva
1 folha de louro
4 filés de anchovas (alice)
2 ovos
Gotas de limão siciliano
1 colher de sopa de alcaparras
Azeite de oliva o quanto baste
Fatias de ciabatta

· Tempere a posta de atum com sal. Refogue o peixe em azeite de oliva com a folha de louro. Retire o peixe e descarte o azeite.
· Leve a posta do atum para processar. Junte os ovos, as anchovas, as alcaparras e as gotas de limão siciliano.
· Processe tudo e vá juntando o azeite de oliva, até obter o ponto de uma maionese cremosa. Corrija o sal, retire do processador e reserve.

Montagem:
· Aqueça rapidamente as fatias de ciabatta ou baguete numa frigideira.
· Cubra cada pedaço de pão com uma fatia do vitelo.
· Cubra o vitelo com um pouco da maionese de atum.
· Decore com alcaparras e sirva imediatamente.

Risotto alla Fontina
João Lombardo
120 g de arroz arbóreo
2 colheres de sopa de manteiga
1 colher de sopa de cebola bem picada
100 ml de vinho branco seco
1 litro de caldo de frango
150 g de queijo Fontina ralado grosso

· Aqueça uma colher de sopa de manteiga e doure a cebola.
· Junte o arroz e frite até ficar brilhante.
· Banhe com o vinho branco e deixe evaporar.
· Vá incorporando o caldo, concha a concha, mexendo sempre.
· Quando o arroz estiver no ponto (mais ou menos 15 minutos de cozimento), desligue o fogo e acrescente a outra colher de manteiga e o queijo Fontina.
· Sirva com as costeletas

sexta-feira, fevereiro 04, 2011

04/02/2011 - Bem gelado: sorvete para espantar o calor

EDIÇÃO DE 04/02/2011 DO JORNAL NOTÍCIAS DO DIA,

por LUCIANE DAUX

Acervo pessoal Beto Cintra/Divulgação
Ai, que calor! Vontade do sorvete de butiá lá da Cocota, senhora absoluta do famoso bombom de sorvete Chic Chic, precursor do Eskibon. Tudo era delicioso: a banana split, os milkshakes do “seu” Didi, você se lembra? Encostado naquela mureta, todo mundo paquerou, um dia. Nossos pais, nós. A sorveteria não existe mais, e as receitas são inviolável segredo da família. Ali no lugar, na Rua Bocaiuva, há um prédio com o sobrenome da família: Garofallis. Na memória da nossa Florianópolis, a lembrança daqueles tempos e sabores sempre existirá. Tudo isso para dizer que hoje é dia de sorvete na nossa cozinha, com receitinhas para você fazer em casa!

Cozinha de Estar visita Pão e Vinho neste sábado
No programa Pão e Vinho deste sábado, serei a convidada de João Lombardo. Vamos “falar” do Piemonte (região noroeste da Itália) a quatro mãos. Recentemente estivemos por lá, no ICIF – Instituto de Culinária Italiana para Estrangeiros, João estudando enologia e eu, gastronomia. Faremos cinco receitas, todas harmonizadas pelo competente anfitrião, que é sommelier. Neste sábado, às 20h30m, na Record News. Domingo às 10h30 e 20h30 no Canal 20.

Bassetti/Divulgação
Rótulos catarinenses
Cresceu para 17 o número de vinícolas de altitude com vinhos no mercado nacional. A Villaggio Bassetti, vinícola boutique que começou a formar vinhedos em 2005, lança no mercado quatro rótulos: os Villaggio Bassetti Sauvignon Blanc 2009 e Rosé 2009 (foto), o Merlot/Cabernet Montepioli 2009 e o premium Cabernet Sauvignon Primiero 2008. Com isso, o número de rótulos de vinhos de altitude já chega a quase 150. Um grande avanço para a moderna vitivinicultura de Santa Catarina.

Calda de chocolate
Coloque num refratário pequeno um tablete de chocolate meio amargo, duas colheres (sopa) de manteiga e seis colheres de água. Leve o refratário ao banho-maria e misture os ingredientes até obter uma calda homogênea. Use quente.

Calda de frutas vermelhas
Pique uma xícara e meia (chá) de morangos e frutas vermelhas (amoras, framboesas, mirtilos) e leve ao fogo com uma colher (sopa) de açúcar, até que esse tenha dissolvido. Use sobre sorvetes ou tortas.

La Mole/Divulgação
Sorvete de caqui
Use essa receita como base para sorvetes de outras frutas, substituindo o caqui por morangos ou mamão, por exemplo.
1 lata de leite condensado
6 caquis moles
1 lata de creme de leite
a mesma medida (da lata) de leite integral
caqui picado para decorar

1. No liquidificador, bata os caquis com o leite condensado, o creme de leite e o leite.
2. Despeje em um recipiente e leve ao freezer por cerca de 2 horas. Retire e bata novamente no liquidificador (quanto mais o sorvete for batido no liquidificador após congelado, menores serão os cristais de gelo e o resultado será um sorvete ainda mais cremoso). Leve ao freezer até endurecer.
3. Sirva com pedaços de caqui.
4. Fonte: WWW.nestle.net.br

Hunger Hunger/Divulgaçao
Com calda de caramelo
1 lata de leite condensado
1 lata de leite integral
1 lata de creme de leite
3 gemas
2 colheres (sopa) de açúcar
3 unidades de clara de ovo

Calda:
1 xícara (chá) de açúcar
1/3 xícara (chá) de água

1. Faça uma calda escura com o açúcar e a água. Espalhe a calda nas paredes de uma forma de pudim grande ou forminhas individuais de petit gateau (foto). Reserve.
2. Leve ao fogo o leite condensado com o leite e as gemas, mexendo sem parar. Quando ferver e engrossar levemente, desligue. Reserve e deixe esfriar e junte o creme de leite.
3. Bata as claras em neve com o açúcar e acrescente ao creme já frio.
4. Coloque o creme na forma caramelizada e leve ao freezer ou congelador por 12 horas.
5. Para desenformar, passe rapidamente o fundo da forma na boca do fogão e vire sobre uma travessa.

quinta-feira, fevereiro 03, 2011

03/02/2011 - Bate-papo com Claude Troisgros

Publicado em www.acontecendoaqui.com.br
por Luciane Daux

Nos dias 26, 27 e 28 de janeiro, a Decanter Vinhos reuniu em Blumenau franqueados de todo o Brasil para a sua Convenção Anual. Neste ano,a ênfase foi dada aos vinhos produzidos na França. Em harmonia com essa linha de trabalho, a Decanter ofereceu aos convidados dois jantares especiais, ambos comandados por famosos chefs franceses: Emmanuel Bassoleil e Claude Troisgros. Os jantares, realizados no Clube Tabajara, foram harmonizados por Guilherme Correa, sommelier do grupo.

Claude Troisgros está no Brasil há 31 anos e pode ver, de perto, que “a gastronomia brasileira mudou radicalmente, para melhor, amadureceu”. Claude tem quatro casas no Rio de Janeiro: Olympe, Bistro 66, CT Brasserie e CT Boucherie e apresenta o programa “Que Marravilha” no canal GNT. Pessoalmente é tanto ou mais divertido do que se mostra no vídeo, como se percebi num descontraído bate-papo. Acompanhe!

Seu pai, Pierre Troisgros, foi o criador do conceito de nouvelle cuisine francesa. Você é o criador da nouvelle cuisine brasileira?
O Brasil tem uma variedade imensa de produtos como a jabuticaba, maxixe, quiabo, maracujá, goiaba, batata baroa, cupuaçu. A gente incorporou isso tudo às técnicas francesas e criou, sem saber, uma cozinha que se pode chamar de cozinha franco-brasileira, ou uma nouvelle cuisine brasileira. Respeita a tradição, respeita os produtos do país, com um tom de modernidade. É isso que eu faço.

Como chef, como você vê a questão da harmonização enogastronômica?

O mundo do vinho está crescendo de uma forma incrível no Brasil. A gente tem uma prova disso hoje (na Convenção Decanter Vinhos). Para mim, como cozinheiro, numa harmonização o vinho vai levantar o meu prato. A gente não percebe isso até o momento em que a gente toma. Se você está com o vinho certo, o teu prato explode. A harmonização é fundamental. Osommelier pensa ao contrário, que a comida vai levantar o vinho (risos). Mas tudo bem, a gente pensa na mesma onda.

A gastronomia está na veia da sua família há quatro gerações. Seu avô, seu pai, você e seus filhos. Quando vocês se reúnem, o que gostam de comer e quem cozinha?

Quando meu pai está presente, é muito difícil a gente falar alguma coisa. Ele é quem manda (risos). Meu pai hoje está aposentado. Então, quando a gente está junto, ele quem cozinha. A gente ajuda, corta a cebola, não fala nada se está bom se está ruim. Agora, com os meus filhos, é engraçado. Nós trabalhamos juntos o dia inteiro. Meu filho é cozinheiro, minha filha cuida da parte de eventos. Quando a gente se reúne, nunca faz pratos muito complexos, não. É sempre churrasco. Eu deixo meu filho fazer, mas ele fica sempre com aquela timidez, igual como eu fico com meu pai. Eu deixo ele entrar no jogo e a gente se diverte. É uma brincadeira em família.

Claude, que não resiste a um doce, deixa aos leitores uma receita tradicional do seu restaurante Olympe: Crepe Passion.

Fotos Divulgação
Crepe Passion, Chef Claude Troisgros

Para o crepe:
1/2 litro de leite
80gr de manteiga
10 gemas de ovo
100gr de açúcar
125gr de farinha de trigo
10 claras de ovo
Sal de frutas

Modo de fazer:
Bater as gemas e o açúcar até ficar branco. Colocar a farinha de trigo. Ferver o leite e a manteiga. Juntar na mistura. Bater as claras em neve com sal de frutas. No fim, adicionar o açúcar e bater bem. Juntar na mistura ainda quente e misturar bem devagar. Numa frigideira Teflon, de 15 cm de diâmetro (n.º 22), derreter um pequeno pedaço de manteiga sem sal e acrescentar uma concha e meia de massa de crepe. Dourar um lado e deixar 5 minutos no forno a 200 graus (sem virar). Retirar da panela com a mão e deixar esfriar. Rechear com uma colher de creme de confeiteiro. Dobrar em meia lua apertando bem as beiradas.

Creme de confeiteiro:
1/4 de litro de leite
3 gemas
75gr de açúcar
10 a 15gr de farinha de trigo
1 fava de baunilha

Modo de fazer:
Bater as gemas e açúcar até ficar branco. Colocar a farinha e misturar bem. Ferver o leite com a fava de baunilha cortada ao meio e derramar na mistura. Colocar no fogo e ferver alguns minutos, batendo energicamente. Retirar da panela e esfriar.

Molho:
120gr de açúcar
200 ml de suco de maracujá com sementes
200 ml de água
120gr de manteiga

Modo de fazer:
Cozinhar açúcar e água até caramelo dourado claro. Acrescentar o suco de maracujá e a água. Reduzir até engrossar. Peneirar e colocar metade das sementes de volta no molho. Finalizar colocando a manteiga.

Toque final:
Polvilhar de glaçúcar cada crepe e caramelizar com ajuda do maçarico. Colocar no forno até ficar quente. Colocar o molho no prato fundo e a crepe suflê no centro.

Harmonização proposta por Guilherme Correa(Decanter Vinhos):
Brumaire Pacherenc Du Vic Bilh Doux 2006 – Alain Brumont – França

Agradecimentos:
Presse Comunicação Empresarial
Decanter Vinhos
Essen Vinhos
Sinta-se à vontade para comentar os posts.
(faça seu comentário ao final de cada post, no símbolo da canetinha).

Obrigada pela visita!

Lu