Gastronomia, culinária e outros interesses para os apaixonados
pelo prazer de cozinhar, comer bem e harmonizar.

Por Luciane Daux

sexta-feira, dezembro 04, 2009

04/12/2009 - Frutos não caem longe do pé

EDIÇÃO DE 04/12/2009 DA COLUNA COZINHA DE ESTAR/JORNAL NOTÍCIAS DO DIA, POR LUCIANE DAUX

(ilustração divulgação)
Semana passada fui ao show de Maria Rita. A voz que emociona (linda, linda e muito parecida com a da mãe, Elis Regina) me fez pensar se talento se herda geneticamente. Penso que sim, mas que o talento geneticamente herdado não emerge exceto em condições favoráveis. E na cozinha, isso também vale? Claro que sim. Senão vejamos: o pequeno Gabriel que faz dupla com o pai, o Chef Leno Durrewal, Valderez e Tatiana – mãe e filha – que têm juntas uma escola de culinária e Giulia e Ézio Librizzi (filha e pai), apaixonados pela gastronomia italiana, para falar daqueles que atuam profissionalmente. Os exemplos mais comuns estão nas nossas casas, quando nossas mães e avós despertam o gosto pela cozinha em nós, e o transmitimos aos nossos filhos!

Fazendo panetone
Já pensou em presentear neste Natal delícias exclusivas feitas por você? As professoras Valderez e Tatiana (mãe e filha), da Oficina Culinária Floripa, prepararam cursos especiais para quem quer aprender a fazer panetone, bolo de Natal, biscoitos decorados ou mesmo a ceia inteira. A partir de R$ 60 por aula. Mais informações em WWW.oficinaculinariafloripa.com.br ou pelo fone (48)3334-0372.

Comer e Beber
A Revista Veja divulgou essa semana sua aguardada premiação Comer e Beber SC, versão 2009/2010. Alguns destaques de Florianópolis: Lombardo Pão Italiano (melhor pão), Restaurante Central (melhor bom e barato), Ostradamus (melhor ostra), Santa Hora (melhor happy hour) e Vitor Gomes, que levou dois prêmios: Café Riso (melhor variado) e Chef do Ano, pelo segundo ano consecutivo. Parabéns aos vencedores e aos indicados! A verdade é que a nossa gastronomia está cada vez mais profissional, e não fica devendo nada aos grandes centros, o que é ótimo especialmente para quem gosta de comer bem.

Tal pai, tal filha (foto Giulia Librizzi divulgação)
Giulia, filha de Ézio Librizzi (Macarronada Italiana), herdou do pai o gosto pela cozinha italiana. Estagiou no tradicional Fasano, em São Paulo, e diplomou-se como Chef Internacional e Patissier em 2008 pela Unisul. Para complementar seus estudos, foi para a Itália, onde cursou o ICIF, além de ter feito estágios em vários restaurantes. Hoje Giulia assina algumas das mais saborosas sobremesas da Macarronada Italiana.






Petit Gâteau de Limão Siciliano (foto Macarronada Italiana)
(Chef Giulia Librizzi)
50g de claras de ovo
40g de glaçúcar
64g de farinha de amêndoa
30g de farinha de trigo
50g de manteiga

Recheio Ganache de limão:
200 g de chocolate branco
suco de meio limão siciliano
raspa da casca de meio limão siciliano
100 g de creme de leite
4 ml de Limoncello (licor de limão siciliano)

1. Leve o creme de leite à fervura. Numa tigela, coloque o chocolate branco ralado e junte o creme de leite fervente.
2. Adicione o suco e a raspa de limão e o licor, mexa até incorporar. Faça bolinhas e reserve.
3. Na batedeira, bata as claras e o glaçúcar até formar um merengue. Tire da batedeira, junte as farinhas e por último a manteiga e com uma colher.
4. Com a massa, forre o fundo e as laterais da forminha de petit gateau untada. Recheie com as bolinhas de ganache e cubra com mais massa.
5. Asse em forno pré-aquecido a 180° por cerca de 10 minutos.
6. Sirva imediatamente acompanhado de calda de chocolate.
7. Rendimento: 4 porções.

Torta de bananas (foto divulgação)
(do caderno de receitas da minha mãe)
Minha mãe era excelente cozinheira. Não que criasse grandes receitas, mas tudo o que fazia, fazia bem. Essa torta ela aprendeu com a minha tia-avó Olga, e eu aprendi em casa. Era a sobremesa preferida do meu pai.


12 bananas brancas
6 gemas
12 colheres (sopa) de açúcar
2 colheres (sopa) de manteiga
½ xícara (chá) de leite
Canela a gosto
Manteiga para fritar

Merengue:
6 claras
12 colheres (sopa) de açúcar

1. Descasque as bananas e corte-as ao meio, no sentido longitudinal.
2. Frite-as em fogo baixo na manteiga, até dourar, e disponha-as num refratário médio, em uma camada única.
3. Bata bem as gemas com o açúcar, até obter um creme bem claro. Junte o leite, a canela e a manteiga e coloque sobre as bananas fritas.
4. Bata as claras em neve e junte o açúcar aos poucos. Espalhe sobre as bananas e a gemada.
5. Leve ao forno baixo (180oC) pré-aquecido por 20 a 30 minutos, ou até dourar.
6. Sirva quente ou fria.

3 comentários:

  1. Essa é simples e simplesmente muito gostosa, me delicio desde de criança. Imagino o sabor que teria preparada por você.

    ResponderExcluir
  2. Ah, se estás te referindo à torta de banana, ouso dizer que a minha fica tão boa quanto a da minha mãe ;-) Hummmmmmmmm, vontade!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Lindo post!!!
    Familia é tudo!
    Filho de peixe...peixinho é!

    ResponderExcluir

Sinta-se à vontade para comentar os posts.
(faça seu comentário ao final de cada post, no símbolo da canetinha).

Obrigada pela visita!

Lu